Sonhadores, delícias e angústias da adolescência | Blog e-Urbanidade

1
Sonhadores - Foto: Divulgação / Obá Cacauê
Sonhadores - Foto: Divulgação / Obá Cacauê
Sonhadores - Foto: Divulgação / Obá Cacauê
Sonhadores – Foto: Divulgação / Obá Cacauê

Ainda está para nascer época tão confusa e tumultuada quanto a passagem da infância para a adolescência. A transição propõe uma verdadeira revolução interna, levando à descoberta de uma individualidade crua, desafiadora e pronta para ser lapidada pelo fluxo tortuoso da vida. Sonhadores é sobre isso.

A minissérie brasileira acaba de estrear no Amazon Prime Video, em oito episódios cuidadosamente escritos e dirigidos por Julia Ferreira. A produção, realizada por meio de um edital da Ancine junto à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, é uma comédia dramática autobiográfica e tem o poder de nos transportar para esses tempos tão caóticos.

Rafa (Brunno Pastori), um menino criativo de 14 anos, encontra no pai, Miguel (Fernando Alves Pinto) sua maior inspiração. Ambos artistas, roqueiros, com a mente em constante criação de uma realidade própria.

O garoto se divide em dois mundos quando a mãe, Ângela, em atuação destacada de Aicha Marques, decide pela separação. Inteiramente responsável pela casa, ela se cansa das tendências escapistas do marido negligente e egoísta, que não a ajuda e vive sempre na mesa do Bar do Monstro com os amigos Monstro (Mário Bezerra), Bola (Rodrigo Luna), Marcão (Amós Heber) e Zinho, interpretado pelo ilustre Antonio Pitanga.

Sonhadores - Foto: Divulgação / Obá Cacauê
Sonhadores – Foto: Divulgação / Obá Cacauê

Rafa é um personagem singular, que traz autenticidade e ares novos para um tema batido. Há algo de estranheza oferecida por Brunno Pastori que se encaixa perfeitamente na personalidade desajustada e introvertida do garoto.

O interessante é que este desajuste vem de sua autenticidade e coragem de ser diferente numa fase na qual desejamos ser iguais, sempre em busca de aceitação. O adolescente é amparado pelos amigos Anita (Giulia Nunnes) e Willianson (Evaldo Macarrão), boas adições à história que poderiam ser mais exploradas numa eventual segunda temporada.

O mundo excêntrico do menino é recheado de referências do rock, incluindo o glam, o punk e a psicodelia. Sua esquisitice nos remete a um jovem Tim Burton, que parece ter sido referência para a diretora na construção imagética de Rafa. Não só dele, como de todo o ambiente, inteiramente baiano.

“Não tem nada a ver com a Bahia de Jorge Amado. É uma outra Salvador, bem urbana e cinzenta, chuvosa. E mostra muito a cena rock de Salvador, com referências a Raul Seixas e Camisa de Vênus”, afirmou Julia Ferreira em entrevista ao Jornal Correio, no ano passado. Percebe-se.

Falando em imagem, a preocupação da diretora com a estética e fotografia da minissérie é perceptível. Temos ângulos muito bem utilizados para compor as viagens do protagonista e vemos escolhas visuais minuciosamente pensadas. Não temos uma grande produção, mas a sensação é de que se fez muito com pouco, coerente com a proposta da minissérie. A singeleza, inclusive, oferece certo charme para o trabalho.

Com visual apurado e trama inteligente, Sonhadores também fala sobre temas pertinentes a qualquer fase da vida, como bullying, sexualidade, depressão e drogas. A história é de um garoto de 14 anos, mas a narrativa está longe de ser infantil.

Apesar da forma descomplicada (por vezes, rasa) da abordagem, as situações vividas pelo garoto e sua família geram reflexão. Um feito da minissérie que acaba num piscar de olhos, deixando a todos, sonhadores ou não, com o gostinho de “quero mais”.

Onde assistir
Sonhadores – Amazon Prime Video

Oito episódios, com duração de 15 a 19 minutos cada. Com roteiro e direção de Julia Ferreira e produção de Fabíola Aquino, responsável pela Obá Cacauê Produções.

Trailer

Quer receber essa e outras notícias no seu e-mail? Assine a newsletter

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here