Okja – 4 motivos para assistir

0

Okja é um filme imperdível por, pelo menos, 4 motivos: 1) está disponível apenas na plataforma streaming do NetFlix, assim não é possível assisti-lo no cinema; 2) a mão do diretor Joon-Ho Bong é autoral e única, como a de diretores Woody Allen ou Tim Burton; 3) atores conhecidos de grandes produções (como Jake Gyllenhaal, Paul Dano, Giancarlo Esposito) interpretam personagens bem diferentes e inusitados e, por fim; 4) tem um roteiro inédito e com uma crítica severa e inteligente sobre o capitalismo e suas consequências.

Tilda Swinton em Okja - Foto: Divulgação
Tilda Swinton em Okja – Foto: Divulgação

Okja foi apresentado no festival de Cannes de 2017 e causou reboliço, principalmente por trazer uma severa alteração no mercado cinematográfico ao ser lançado exclusivamente no NetFlix. Então, filmes de alta qualidade técnica para chegar ao público não precisam necessariamente serem projetados no cinema. Será que podem ser avaliados em grandes festivais? Essas e outras questões começam a ser discutidas.

O diretor Joon assina a direção e o roteiro, sendo esse em conjunto com Jon Ronson, de linhas cômicas e dramáticas fortes, com estética de anime. Cheio de reviravoltas, é possível não encontrar nenhum minuto de descanso até a metade da película quando o script toma um ar mais crítico. Aí já se está totalmente envolvido com a jornada de Mija (Seo-Hyun) ao salvar seu porco gigante, Okja.

Se atores reclamam que são sempre escalados para os mesmos personagens, a atuação do elenco é um caso à parte. Com certeza encontrar Tilda Swinton fazendo tipos diferentes não é nenhuma surpresa, mas Gyllenhaal é quase irreconhecível em sua atuação. Incluindo vários outros atores e, o melhor, mesmo diante do tom operístico (não sei se existe esse termo!), não caem na simples caricatura.

Quem um dia não criou em casa uma galinha ou porco e a mãe, de repente, avisa que o animal vai ser o almoço de amanhã? Esse é o ponto de partida da história, porém aqui o porco é gigante e é um experimento da empresa Mirando. Não existe a opção de deixá-lo viver. Enquanto tenta resgatar Okja, a garota encontra um grupo radical de resgate à animais. Assim, a ação está garantida.

A cena final, o clímax, é forte, bem escrita e uma verdadeira crítica ao mundo dos abatedouros de animais e do capitalismo. Chega a ser genial! O difícil é não terminar com culpa de ter comido qualquer tipo de carne na última refeição (ou na próxima).

Okja vale por todos esses motivos e sua capacidade de entreter.

Bom filme!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui