Mostra Aldir Blanc traz espetáculos de todo o Brasil e debates com comunicadores

0
3
Espetáculo Pink Star – Foto: Silvio Eduardo

Um ano após a morte de Aldir Blanc, em decorrência da Covid-19, o SP Escola de Teatro celebra o compositor na primeira edição da Mostra Aldir Blanc. O projeto acontece até o dia 28 de maio, e traz em sua programação 12 espetáculos de várias partes do Brasil, que dialogam com temas como racismo, feminismo e muito mais.

Todos os coletivos que participam da Mostra foram contemplados pela Lei Aldir Blanc, criada para socorrer artistas durante a pandemia. De acordo com Ivam Cabral, diretor do SP Escola de Teatro, a lei foi fundamental não só para a manutenção dos artistas, mas também por promover o Teatro Digital, responsável pela sobrevivência das artes cênicas neste momento difícil.

Já o curador Miguel Arcanjo Prado diz: “A Lei é um respiro para a Cultura. A Mostra Aldir Blanc mostra nas telas uma exuberante produção cênica contemporânea, que pode ser vista por espectadores de todo o mundo“.

O projeto começou em 4 de maio, e até o dia 6 apresenta o espetáculo Elas, do Coletivo Caracóis, de São Paulo. A peça fala sobre os conflitos de um relacionamento amoroso entre duas mulheres no contexto da pandemia. Outro destaque é Afluentes Acreanas, da Associação Teatro Candeeiro, que debate a história do Acre e fica em cartaz em 12 de maio.

Espetáculo Elas – Foto: Divulgação assessoria

Já no dia 13 é a vez do Teatro da Margem, do Rio Grande do Sul, apresentar Disque Q para Queer, uma peça de teatro interativa sobre uma central de atendimento para pessoas LGBTQIA+ durante a pandemia. Os espetáculos trazem uma enorme pluralidade de gêneros, que vão desde musical até comédia e drama.

Além das peças, a Mostra Aldir Blanc também traz um diálogo com diversos comunicadores digitais, inclusive Celso Faria, daqui Blog e-Urbanidade! Além de escrever sobre os espetáculos, ele ainda participa de mesas de discussão, como forma de aproximar jornalistas, comunicadores e artistas do teatro.

Outros nomes que também participam das rodas de debate são Miguel Arcanjo, que além de curador é jornalista cultural, Leandro Fazolla, Cláudio Martins, do A Broadway é Aqui, Fernando Pivotto, do Tudo Menos Uma Crítica.

Programação

06/05 – Quinta-feira
Elas – Coletivo Caracóis (SP)
Conflitos de um relacionamento amoroso entre duas mulheres durante a pandemia.

07/05 – Sexta-feira
Mesa de discussão – A importância da Lei Aldir Blanc para a arte na Pandemia.

11/05 – Terça-feira
Turmalina 18-50 – Cia Cerne (RJ)
A vida de João Cândido, o almirante negro da canção de Aldir Blanc cantada por Elis Regina.

12/05 – Quarta-feira
Afluentes Acreanas – Associação Teatro Candeeiro (AC)
Um embarque fluvial pelas curvas do rio Acre, passando pelos afluentes da história acreana.

13/05 – Quinta-feira
Disque Q para Queer – Teatro da Margem (RN)
Central de atendimento interativa para pessoas LGBTQIA+ no isolamento da pandemia.

14/05 – Sexta-feira
Exóticos – Túlio Paniago (MT)
Uma desconstrução de ideias preconcebidas sobre a produção artística fora do eixo..

18/05 – Terça-feira
Diálogos – Bruno Narchi (SP)
Histórias cotidianas em torno de relacionamentos familiares e pessoais neste drama musical.

19/05 – Quarta-feira
Pink Star – Cia de Teatro Os Satyros (SP)
Comédia musicada sobre o poder de decisão do indivíduo sobre a sua sexualidade e gênero.

20/05 – Quinta-feira
O Inferno É Um Espelho de Borda Laranja – Wander B. (SP)
Reflexões de um homem em torno de sua vida durante suas crises de insônia.

21/05 – Sexta-feira
Pânico Vaginal – Romã Atômica (SP)
Uma super-heroína opta pelo Armamento Íntimo, guardando armas em seus órgãos.

25/05 – Terça-feira
Tormento – Clotilde Produções (SP)
Duas mulheres e um homem estão trancados forçosamente em uma reunião on-line.

26/05 – Quarta-feira
Sinhá Não Dorme – Roberta Valente (RJ)
Duas mulheres negras apresentam questões do racismo estrutural e da lesbofobia.

27/05 – Quinta-feira
Psicose 4:48 – Cia Stavis- Damaceno (PR)
Questões de loucura, baseadas na vida da autora britânica Sarah Kane.

28/05 – Sexta-feira
Mesa de Discussão – Lei Aldir Blanc como fomento à diversidade nas artes cênicas brasileiras.

Serviço
Mostra Aldir Blanc na SP Escola de Teatro
Até dia 28 de maio, sempre às 20h.
Evento virtual e gratuito. Para assistir aos espetáculos é necessário reservar seu ingresso no site da Sympla.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here