Crítica: Perseguição na Neve, direção de John Barr

0
331
Pôster de Perseguição na Neve. Foto: Divulgação
Pôster de Perseguição na Neve. Foto: Divulgação
Pôster de Perseguição na Neve. Foto: Divulgação

Perseguição na NeveBlood and Mooney —, distribuído pela Synapse Distribution, tem nada mais nada menos que Tom Berenger em seu elenco. E vê-lo em cena já é um presente por si só. Mas o roteiro não favorece o ator, que recebeu uma indicação ao Oscar em 1987 pela atuação em Platoon.

Dirigido por John Barr, o longa-metragem demora muito a tomar forma, apresentando de maneira arrastada a história de Jim Reed (Tom Berenger). Assim, numa tentativa de criar uma atmosfera de suspense, algo que, apesar da trilha sonora impecável, nunca é alcançado em quase uma hora e meia de filme.

Nos primeiros 30 minutos o roteiro acerta ao mostrar a ganância do ser humano. Mas assa longe de ideias mirabolantes e diálogos, que surgem em pouca quantidade. A virada acontece com o acidente, acelerando a trama, num jogo de gato e rato.

Mesmo assim, não empolga, pois aposta numa atmosfera fria e solitária, de um caçador perdido em seus dramas pessoais. Jim Reed está em uma zona sem monitoramento pelas autoridades locais e encontra uma mala de dinheiro de um grupo de criminosos, a partir daí precisa brigar pela sobrevivência.

Tom Berenger como Jim Reed. Foto: Reprodução

A fotografia é excelente, e com a onda de frio que chegou em São Paulo, parece que somos transportados para a neve do Maine, EUA. E as paisagens congeladas ajudam na construção da personalidade dura e fria do protagonista. Os tons de cinza priorizam a melancolia e solidão destacados no roteiro.

Além do veterano Berenger, as participações de Kristen Hager (O Procurado), e Paul Ben-Victor (Demolidor), também completam a trama.

Uma mistura de sensações é o que define a trama, e o diretor utiliza esse parâmetro para mostrar as reações de Berenger, filmando o ator em primeiro plano. O silêncio sobrepõe os diálogos não tão elaborados e a trama que carece de ritmo.

Tom Berenger como Jim Reed. Foto: Reprodução

O nome original do filme é Blood and Mooney, e é preciso comentar que se a intenção do diretor foi de fazer um trocadilho na escolha entre morrer de frio ou acabar com o dinheiro, isso parece funcionar.

O diretor faz sua estreia em longas-metragens. A paisagem e as imagens do Maine ajudam no drama e suspense, mas não é suficiente. Existem algumas inconsistências e cenas difíceis de acompanhar. 

O longa tem um toque dos irmãos Coen, mas obviamente não atinge tal estrutura. Para quem gostou de Vingança a Sangue Frio ou Filha do Lobo — ambos disponíveis no Prime Video — então, talvez, Perseguição na Neve pode agradar.

Confira o trailer:

Quer receber essa e outras notícias no seu e-mail? Assine a newsletter

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here