CCBB apresenta mostra Mulheres Mágicas: Reinvenções Da Bruxa.

Na programação, 25 filmes investigam como a figura da bruxa foi construída ao longo da história do cinema.

0
O Mágico de Oz - Copyright Warner
O Mágico de Oz - Copyright Warner

Para comemorar o Dia das Mulheres, celebrado no dia 8 de março, o Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo recebe a mostra Mulheres Mágicas. O evento representa a construção, desde os primórdios do cinema até os dias atuais, da figura mítica mais famosa de todos os tempos, a BRUXA!

Na programação híbrida tem sessões de filmes presenciais, debates e encontros online, de forma a atender todos os públicos e discutir sobre as nuances da história do arquétipo da bruxa construído e o feminino.

A seleção é riquíssima e conta com 25 filmes, dentre eles, clássicos e contemporâneos, curtas e longas, ficções, documentários, experimental e performances. E ainda de vários cantos do mundo, como EUA, Itália, Zâmbia, Nigéria, Dinamarca, Síria, Islândia, entre outros.

Bruxas ocidentais e decolonizadas

O evento foi montado de modo a atender dois nichos: a maneira ocidental colonial e a decolonial. O primeiro irá transmitir os principais estereótipos da bruxa dos contos de Hans Andersen, a historicidade da caça às bruxas da Idade Média, além da monstruosa beleza e sensualidade exalada pela personagem.

A fim de representar tal nicho, estarão no evento O Reino Das Fadas, de George Méliès, Temporada Das Bruxas, de George A. Romero, o clássico infantil O Mágico De Oz (1939) de Victor Fleming. E, ao comparecer, não deixe de assistir a Suspiria (1977), terror clássico, de autoria italiana de Dario Argento, uma verdadeira obra prima!

Já o segundo nicho, irá apresentar contrapontos de reinvenção de tal arquétipo, trazendo releituras dos tradicionais contos de fadas a la Hans Andersen, de forma abrangente e feminista. Além disso, tem obras marcadas pela representatividade negra e saberes indígenas como Covil das Bruxas, de Maya Deren, Amores Divididos, de Kasi Lemmons, Eu Não Sou Uma Bruxa, da aclamada diretora zambiana Rugano Nyoni. E para aqueles que não abrem mão do país do samba, a mostra apresentará A Dupla Jornada, da brasileira Helena Solberg.

Outras atividades

Além do enriquecimento cultural, para intensificar esta experiência fantástica, será realizado um ciclo de debates, de forma a ajudar o público a refletir tais temas. Tal ato contará com grandes nomes, juntando convidados nacionais e internacionais.

É possível adquirir seus ingressos pelo site. Não esqueça de consultar a programação e suas classificações indicativas. Caso necessite de mais informações, consulte os horários de funcionamento através do site. Confira mais sobre a lista completa de filmes da mostra:

1. O Reino das fadas (Le royaume des fées), George Méliès (1903, França, 16′) | Livre
2. Häxan – A feitiçaria através dos tempos, Benjamin Christensen (1922, Suécia, 105′) | 12 anos
3. O Mágico de Oz (The Wizard of Oz), Victor Fleming (1939, EUA, 101′) | Livre
4. Dias de Ira (Day of Wrath), Carl Th. Dreyer (1943, Dinamarca, 98′) | 12 anos
5. The Witch’s Cradle, Maya Deren (1943, EUA, 12′) | Livre
6. Sortilégio do Amor (Bell, Book and Candle), Richard Quine (1958, EUA, 106′) | 12 anos
7. A Máscara do demônio (Black Sunday), Mario Bava (1960, Itália, 87′) | 14 anos
8. O Martelo das Bruxas (Witches’ Hammer), Otakar Vávra (1969, República Tcheca, 102′) | 14 anos
9. Temporada das bruxas (Season of the Witch/Hungry Wives), George A. Romero (1972, EUA, 104′) | 14 anos
10. A dupla jornada, Helena Solberg (1975, Argentina/Bolívia/México/Venezuela, 53′) | Livre
11. Transformations, Barbara Hirschfeld (1976, EUA, 9′) | Livre
12. Suspiria, Dario Argento (1977, Itália, 98′) | 16 anos
13. A Árvore de Zimbro (The Juniper Tree), Nietzchka Keene (1990, Islândia/EUA, 78′) | 12 anos
14. Praise House, Julie Dash (1991, EUA, 28′) | Livre
15. Amores Divididos (Eve’s Bayou), Kasi Lemmons (1997, EUA, 110′) | 14 anos
16. Feiticeiras, minhas irmãs (Sorcières, mes soeurs), Camille Ducellier (2010, França, 31′) | 14 anos
17. Olá, Rain (Hello, Rain), C.J. Obasi (2014, Nigéria, 30′) | 12 anos
18. La Cabeza Mató a Todos, Beatriz Santiago Muñoz (2014, Porto Rico, 8′) | Livre
19. A Bruxa do Amor (The love witch), Anna Biller (2016, EUA, 120′) | 14 anos
20. Borderhole, Nadia Granados e Amber Bemak (2017, EUA/Colômbia, 14′) | 16 anos
21. Eu não sou uma bruxa (I am not a witch), Rungano Nyoni (2017, Zâmbia/Reino Unido, 93′) | 12 anos
22. Boca de Loba, Bárbara Cabeças (2018, Brasil, 19′) | 14 anos
23. Quem tem medo de ideologia? – Parte 2 (Who is afraid of ideology?), Marwa Arsanios (2020, Líbano/Síria, 38′) | 12 anos
24. Amarração, Hariel Revignet (2020, Brasil, 7′) | 14 anos
25. Kaapora – o chamado das matas, Olinda Yawar Muniz Wanderley (2020, Brasil, 21′) | 12 anos

Serviço

Mulheres mágicas: reinvenções da bruxa no cinema
De 11 a 28 de março – todos os dias, das 9h às 19h, exceto às terças.
Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo – Rua Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico, Triângulo SP, São Paulo–SP.
Ingressos: Pelo site bb.com.br/cultura e na bilheteria a preços populares (R$ 10 inteira / R$ 5 meia).
16 anos.

Quer receber essa e outras notícias no seu e-mail? Assine a newsletter

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here