4 edifícios icônicos em São Paulo do arquiteto Paulo Mendes da Rocha

0
64
Pinacoteca de São Paulo - Foto: Rodrigo Zorzi
Pinacoteca de São Paulo - Foto: Rodrigo Zorzi

Um gigante da arquitetura brasileira: assim era conhecido Paulo Mendes da Rocha. O urbanista, que faleceu no da 23 de maio de 2021, aos 92 anos de idade, destacou-se como um dos maiores arquitetos do Brasil no século XX, com seus trabalhos premiados mundialmente. Em sua trajetória, Rocha já ganhou prêmios internacionais com o Leão de Ouro de Veneza, o Prêmio Imperial do Japão, a Medalha de Ouro da União Internacional dos Arquitetos e o Prêmio Pritzker, considerado o Nobel da arquitetura. Junto com Oscar Niemeyer, Rocha foi um dos dois únicos brasileiros a receberem a honraria.

Rocha nasceu em Vitória, Espírito Santo, em 1928, mas morou durante boa parte da sua vida na cidade de São Paulo, onde desenvolveu alguns dos seus mais lembrados projetos – como a Pinacoteca e o arco da Praça do Patriarca. Um dos últimos trabalhos de Rocha como arquiteto foi na reforma do Museu da Língua Portuguesa, que foi fechado em 2015 após sofrer um incêndio.

A proximidade de Rocha com São Paulo fez com que o urbanista se tornasse um dos principais expoentes da Escola Paulista – focada em uma arquitetura limpa, moderna e clara. Mas, apesar do foco na modernidade, Rocha também valorizava prédios aconchegantes e experiências que priorizavam os cidadãos.

Como forma de homenagear a mente criativa de um dos maiores arquitetos de todos os tempos, o e-Urbanidade separou quatro edifícios icônicos feitos por Paulo Mendes da Rocha. Confira a seguir:

#1 – Pinacoteca do Estado de São Paulo

Pinacoteca de São Paulo - Foto: Rodrigo Zorzi
Pinacoteca de São Paulo – Foto: Rodrigo Zorzi

A Pinacoteca é o museu mais antigo da cidade de São Paulo, fundado em 1905. Focado em artes visuais e na produção brasileira do século XIX, o edifício passou por uma grande reforma no final da década de 1990, encabeçada por Rocha, se tornando o edifício que conhecemos hoje. Pela reconstrução do prédio, o arquiteto ganhou o Prêmio Mies Van der Rohe de Arquitetura Latino-Americana.

Durante a reforma, Rocha buscou manter o estilo neoclássico da Pinacoteca, presente nas paredes de tilojos e nos pilares da entrada. Ao mesmo tempo, o arquiteto incluiu elementos contemporâneos, como as famosas “pontes” que ligam áreas diferentes do museu.

Endereço: Praça da Luz, 2 – Luz, São Paulo.

#2 – Ginásio do Clube Atlético Paulistano

O ginásio do Clube Atlético Paulistano possui algumas das maiores marcas registradas do trabalho de Rocha: a predileção por linhas curvas e o aspecto inovador, beirando o futurista. O espaço foi projetado pelo arquiteto nos anos 50, quando ele tinha em torno de 29 anos, em parceria com João Eduardo Gennaro.

Pelo projeto do ginásio, Rocha ganhou o Grande Prêmio Presidência da República na 6ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1961, mesmo ano em que se formou como professor na FAU, a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Endereço: Rua Honduras, 1400 – Jardim América, São Paulo

#3 – Edifício da FIESP

Entrada do prédio da FIESP – Foto: Divulgação/FIESP

Um dos prédios mais icônicos da Avenida Paulista, o primeiro andar do Edifício da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) passou por uma grande reforma nas mãos de Rocha.

A reformulação aconteceu em 1998, e recuperou a distância original entre o asfalto e a entrada principal do prédio. Para isso, Rocha realizou um “corte” na laje do pavimento superior, e recuou o pavimento interior, transformando o espaço no que conhecemos atualmente.

Apesar de ser um projeto pequeno em relação à construção, a reformulação foi um dos trabalhos mais ambiciosos da trajetória do arquiteto, mostrando que, além do estilo artístico impecável, Rocha também dominava com maestria a técnica.

Endereço: Av. Paulista, 1313 – Cerqueira César, São Paulo.

#4 – MuBE

Para finalizar esta lista, um dos projetos arquitetônicos mais conhecidos de Rocha é o do MuBE, Museu Brasileiro de Escultura. O artista projetou o edifício nos anos 80, e por ele o urbanista ganhou outro prêmio Mies Van der Rohe de Arquitetura Latino-Americana.

Um dos principais diferenciais da arquitetura do MuBE é o fato de o edifício ser uma construção semi-subterrânea de concreto, que contrasta com os jardins projetados por Roberto Burle Marx.

Endereço: Rua Alemanha, 221 – Jardim Europa, São Paulo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here